Notícias:

Reduza custos, ganhe agilidade e tenha a gestão total do processo de Comunicação Multicanal. Conheça nossa oferta de BPO.
Alto Tietê reúne mais de 1,1 mil vagas para quem busca emprego nesta quarta; veja lista

Oportunidades são para trabalhar nos municípios de Mogi das Cruzes, Suzano, Santa Isabel, Itaquaquecetuba e Ferraz de Vasconcelos. Carteira de trabalho Heloise Hamada/G1 Os programas de encaminhamento ao emprego do Alto Tietê oferecem 1111 vagas de trabalho nesta quarta-feira (24). As oportunidades são para trabalhar nas cidades de Itaquaquecetuba, Santa Isabel, Ferraz de Vasconcelos, Suzano e Mogi das Cruzes. PATs Os Postos de Atendimento ao Trabalhador de Itaquaquecetuba, Santa Isabel e Ferraz de Vasconcelos estão selecionando para 499 vagas. Para concorrer é necessário acessar os aplicativos Sine Fácil e CTPS Digital. O e-mail para mais informações é o suporte.sd@sde.sp.gov.br. Vagas de emprego dos Postos de Atendimento ao Trabalhador do Alto Tietê Emprega Mogi A cidade de Mogi das Cruzes possui 398 vagas. As pessoas interessadas devem acessar a plataforma Emprega Mogi para participar. Os telefones para mais informações são 4699-1900, 4699-2784, 4798-6315 ou 97422-4273. Os detalhes sobre as vagas em Mogi, como remuneração oferecida e outras exigências, podem ser acessados no site da Prefeitura. Vagas de emprego do programa Emprega Mogi Suzano Já no programa de encaminhamento ao emprego de Suzano há 214 oportunidades. Os interessados podem procurar uma das duas unidades do Centro Unificado de Serviços (Centrus). A central fica na Avenida Paulo Portela, 210. Já o Centrus Norte está localizado na Avenida Francisco Marengo, 2.301, no Jardim Dona Benta. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail suzanomaisemprego@gmail.com ou pelo telefone 4745-2264. Vagas de emprego em Suzano Assista a mais notícias [...]

Dólar opera em queda, negociado perto de R$ 5,40

Na terça-feira (23), moeda norte-americana fechou em queda de 0,24%, a R$ 5,4421. Notas de dólar e real em casa de câmbio no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira *4) REUTERS/Bruno Domingos O dólar abriu em queda nesta quarta-feira (23), com os investidores monitorando a cena política e os riscos fiscais do Brasil. Às 9h20, a moeda norte-americana caía 0,70%, cotada a R$ 5,4039. Veja mais cotações. Na terça-feira, o dólar fechou em queda de 0,24%, a R$ 5,4421. Na parcial do mês, passou a acumular queda de 0,52%. No ano, porém, tem valorização de 4,91% ante o real. O Banco Central fará nesta quarta-feira leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em junho e outubro de 2021, destaca a Reuters. Cenário Na agenda de indicadores, o IBGE divulgou que o IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou para 0,48% em fevereiro. Em 12 meses, acumula alta de 4,57%, acima da meta central do governo para a inflação em 2021, que é de 3,75%. Já a Fundação Getulio Vargas mostrou que a confiança do consumidor subiu em fevereiro após quatro meses de queda consecutivas. No radar dos investidores estão também as discussões sobre a PEC Emergencial, que abre caminho para mais uma rodada do Auxílio Emergencial e cria medidas de ajuste nas contas públicas. PEC Emergencial deve levar 10 anos para compensar gastos com nova rodada do Auxílio Governo entrega MP da Eletrobras ao Congresso; veja análise Na cena política, o presidente Jair Bolsonaro entregou na véspera uma medida provisória que busca acelerar a privatização da Eletrobras, numa tentativa de reverter a imagem de que a agenda de privatizações do governo está parada e após sua decisão de trocar o comando da Petrobras ter alimentado receios de uma guinada do governo a uma direção mais populista e mais distante da agenda liberal defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Em evento… [...]

Brasil fica em 3º no ranking de vídeos removidos do TikTok no 2º semestre de 2020

País aparece atrás de EUA e Paquistão entre os que tiveram mais publicações retiradas do ar por violar regras. Entre 1º de julho e 31 de dezembro, mais de 89 milhões de vídeos foram removidos do TikTok globalmente. TikTok removeu mais de 89 milhões de vídeos no 2º semestre de 2020 Imagem de Divulgação/TikTok. O Brasil foi o 3º país com mais vídeos removidos do TikTok no 2º semestre de 2020 por violação das diretrizes ou termos de serviço da plataforma. No período, mais de 7,5 milhões de vídeos de usuários registrados como brasileiros foram apagados, como mostram dados do relatório de transparência divulgado pela rede social nesta quarta-feira (24). Os principais motivos para os vídeos saírem do ar foram "segurança de menores" (36% dos casos) e "nudez e atividades sexuais de adultos" (20,5%). WhatsApp: entenda a nova política de privacidade Entre 1º de julho e 31 de dezembro, o total de 89.132.938 vídeos foram removidos do TikTok globalmente, o que representa 1% de todos os vídeos carregados no serviço. A lista dos 5 países com mais vídeos apagados ficou com: Estados Unidos: 11.775.777 Paquistão: 8.215.633 Brasil: 7.506.599 Rússia: 4.574.690 Índia: 3.860.156 Quanto ao momento da remoção, a empresa explicou que: 92,4% desses vídeos foram removidos antes de um usuário reportá-los. 83,3% foram removidos antes de receberem qualquer visualização. 93,5% foram removidos em menos 24 horas após serem publicados. Brasil sobe no ranking Entre os países que tiveram mais vídeos deletados por violação, o Brasil passou do 4º lugar, no primeiro semestre de 2020, para o atual 3º lugar. Entre 1º de janeiro e 30 de junho, o TikTok removeu 5.525.783 publicações originárias do país. Com os mais de 7,5 milhões deletados no 2º semestre, houve um crescimento de 35,9% no período, na comparação aos 6 primeiros meses do ano. No entanto, o ganho de posição do Brasil no ranking está relacionado a queda da Índia, que passou de 1º… [...]

IPCA-15: Prévia da inflação oficial em fevereiro fica em 0,48%, aponta IBGE

Índice é o maior para um mês de fevereiro desde 2017. Gasolina foi o item que mais pressionou a inflação no mês. Valor da gasolina aumentou em postos de Campinas Reprodução / EPTV O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,48% em fevereiro, conforme divulgado nesta quarta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o maior resultado para um mês de fevereiro desde 2017, quando o índice foi de 0,54%. O indicador desacelerou na comparação com janeiro, quando ficou em 0,78%, o maior para um mês de janeiro em cinco anos. Já no acumulado em 12 meses, o IPCA-15 acumula alta de 4,57%, acima dos 4,30% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Prévia da inflação oficial em fevereiro ficou em 0,48%, 0,30 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada em janeiro Economia/G1 IPCA: inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, maior alta desde 2016 Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, seis apresentaram alta em fevereiro. Habitação e Comunicação registraram deflação no mês, enquanto vestuário teve variação nula. Veja o resultado para cada um dos grupos: Alimentação e bebidas: 0,56% Artigos de residência: 1,01% Vestuário: 0,00% Transportes: 1,11% Saúde e cuidados pessoais: 0,46% Despesas pessoais: 0,15% Educação: 2,39% Habitação: -0,74% Comunicação: -0,09% Gasolina teve o maior impacto no índice De acordo com o IBGE, os combustíveis foram os itens que mais pressionaram a inflação em fevereiro, sobretudo a gasolina, que teve o maior impacto individual sobre o indicador, de 0,17 ponto percentual. Os combustíveis acumularam alta de 3,34% no mês, enquanto a gasolina subiu 3,52% - foi a oitava alta seguida dos preços da gasolina. Também houve altas nos preços do óleo diesel (2,89%), do etanol (2,36%) e do gás veicular (0,61%). A alta nos preços dos combustíveis fez com que o grupo dos transportes tivesse alta de 1,11%, bem… [...]

Modalidade específica de investimento na Bolsa de Valores tem atraído cada vez mais os brasileiros. É um investimento de curtíssimo prazo, de no máximo 24 horas, com chance de alta lucratividade, mas de altíssimo risco. Entenda o que é o Day Trade Em 2020, ano marcado pela pandemia do coronavírus e uma consequente crise financeira sem precedentes, a B3, a Bolsa de Valores brasileira, viu o número de investidores pessoa física aumentar em 92%: foram registrados cerca de 1,5 milhão de novos cadastros no ano. Além disso, registrou um crescimento de 138% no número de operações de Day Trade. Modalidade específica de investimento no mercado financeiro, o Day Trade somou cerca de 1,1 milhão de transações em 2020. Um ano antes, foram 480 mil operações deste tipo. Entenda o day trade nos stories do G1 A explosão desse tipo de investimento no Brasil pode estar associada à disseminação, nas redes sociais, da oferta de cursos ministrados por supostos investidores que prometem ensinar como ganhar muito dinheiro de forma rápida e sem muito esforço. Day trade: prática explode no Brasil; veja alertas e cuidados para não perder dinheiro O Day Trade, de fato, é uma das modalidades de investimento com as maiores possibilidades de alta lucratividade. Atraídos pelo sonho de enriquecimento rápido, investidores inexperientes ignoram que o risco de prejuízo também é altíssimo. Afinal, o que é o Day Trade? Em tradução literal do inglês, Day Trade é “negócio no dia”. É o termo usado para operações de compra e venda de ativos no mercado financeiro realizadas em um único dia. Nessa modalidade, o investidor aproveita as oscilações da Bolsa de Valores para obter lucro em um curtíssimo prazo. Como funciona o Day Trade? A operação pode começar tanto com a compra, como com a venda de ativos, realizando a transação inversa rapidamente. Ou seja, o investidor pode iniciar a operação comprando ações e, no mesmo dia, vender todas elas buscando… [...]

PEC Emergencial deve levar 10 anos  para compensar gastos com nova rodada do Auxílio

Cálculos do Centro de Liderança Pública, com base no relatório do senador Marcio Bittar (MDB-AC), apontam que a proposta vai gerar uma economia de R$ 35 bilhões até 2030. Valor equivale à despesa que o governo federal deve ter com a nova rodada do benefício, que deve durar quatro meses. Elaborada para abrir uma brecha no orçamento que permita o pagamento de uma nova rodada do Auxílio Emergencial, a economia gerada pela proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial deve levar 10 anos para compensar os gastos do benefício, que deve durar apenas quatro meses. É o que indicam os números contidos no relatório elaborado pelo senador Marcio Bittar (MDB-AC). Auxílio Emergencial: o caminho apontado por economistas para o governo bancar o programa A PEC abre caminho para uma nova concessão do benefício e cria medidas de ajuste nas contas públicas. Mas o texto sofreu alterações, que reduziram o seu potencial de economia no longo prazo. Com base no novo texto da PEC Emergencial apresentado na terça-feira (23), o Centro de Liderança Pública (CLP) estima que a economia do governo federal será de R$ 35 bilhões até 2030 - menos da metade da economia prevista pelo CLP com o texto original, que era de R$ 78 bilhões. Já na nova rodada do Auxílio Emergencial, o governo estuda pagar quatro parcelas de R$ 250 para metade dos beneficiários do programa anterior, com um custo que deve ficar entre R$ 30 bilhões e R$ 40 bilhões. Ou seja, quatro meses de auxílio só seriam compensados após uma década de vigência da PEC Emergencial. "É uma conta que nós vamos deixar para os nossos filhos pagarem", afirma Luiz Felipe D'Avila, presidente do CLP. "Nós temos de ter consciência de que o Auxílio Emergencial exige que o governo continue com as reformas, principalmente a administrativa, que tem um impacto gigantesco nas contas", complementa D'Avila. Auxílio emergencial: o que pode vir por aí A PEC… [...]

Paulo Guedes: 10 casos em que o ministro foi 'escanteado' antes da intervenção na Petrobras

Isolamento do ‘superministro’ começou antes do imbróglio sobre preço dos combustíveis. Bolsonaro e Guedes em foto de dezembro Reuters A decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de trocar o comando da Petrobras, numa tentativa de conter a escalada dos preços dos combustíveis, reascendeu especulações sobre a permanência do ministro da Economia, Paulo Guedes, no governo. Analistas questionam até quando Guedes vai seguir como fiador de um mandatário que dá reiteradas mostras de ter pouca afinidade com a agenda liberal defendida pelo ministro. Guedes se mantém longe dos microfones desde o início da crise gerada pela interferência de Bolsonaro na estatal. Mas notícias de bastidores publicadas nos últimos dias dão conta de que o ministro segue no governo e aposta na votação da chamada PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial pelo Congresso para neutralizar o mal-estar criado pelo presidente. Apresentada ao parlamento em novembro de 2019, como parte de um pacote de reformas que até agora não avançou, a PEC Emergencial está prevista para ser votada no Senado nesta quinta-feira (25/02). Além de viabilizar a retomada do auxílio emergencial para trabalhadores informais na pandemia, a proposta inclui medidas de contenção do gasto público, como o congelamento de salários dos servidores, além da desvinculação de despesas com saúde e educação. Mas o episódio da Petrobras não é o primeiro em que o ministro Paulo Guedes foi "escanteado" pelo governo ou diretamente contrariado por Bolsonaro. Relembre outros dez momentos em que o "superministro" foi isolado por decisões ou declarações do presidente. Bolsonaro elogia Guedes e diz que não briga com Petrobras Promessas de Guedes ficaram pelo caminho em 2020; veja o que foi ou não cumprido O presidente Bolsonaro elogiou o ministro Guedes em cerimônia no Planalto 1) Intervenção na Petrobras no início do mandato Uma das primeiras vezes em que Guedes foi considerado "escanteado" por Bolsonaro foi logo no início do mandato do presidente, em abril de 2019, e envolveu… [...]

Após 4 quedas seguidas, confiança do consumidor sobe em fevereiro

Segundo FGV, início da campanha de vacinação contra a Covid-19e a possibilidade de volta do auxílio emergencial parecem ter reduzido o desânimo do consumidor. Após 4 quedas seguidas, confiança do consumidor sobe em fevereiro Reprodução / TV Vanguarda O índice que mede a confiança do consumidor subiu 2,2 pontos em fevereiro, para 78 pontos, após quatro meses de queda consecutivas, informou nesta quarta-feira (24) a Fundação Getulio Vargas (FGV). “O início da campanha de imunização contra a Covid-19 no país e a possibilidade de reedição do auxílio emergencial parecem ter reduzido o desânimo do consumidor em fevereiro", afirmou Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens. A pesquisadora destaca, porém, que os níveis de confiança continuam baixos e que a sustentação de uma tendência de alta dependerá de fatores como a velocidade da vacinação, da evolução dos números da pandemia no Brasil e, principalmente, da recuperação do mercado de trabalho, "algo difícil no primeiro semestre "considerando-se a grande dificuldade que será novamente enfrentada pelas empresas do setor de serviços, segmento que mais emprega no país”. Em fevereiro, houve melhora tanto da percepção dos consumidores em relação ao momento presente quanto das expectativas para os próximos meses. Ambos, porém, se mantém em patamar desfavorável e em nível inferior ao observado em dezembro. O Índice de Situação Atual (ISA) aumentou 1,4 ponto, para 69,5 pontos enquanto o Índice de Expectativas (IE) subiu 2,7 pontos, para 84,8 pontos. Expectativa de inflação sobe para 5,3% ao ano entre consumidores, aponta FGV Pesquisa Focus do Banco Central divulgada na segunda-feira mostrou que os analistas do mercado elevaram a estimativa de inflação em 2021 para 3,82%, acima da meta central, que é de 3,75%. Já a projeção para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) de 2021 foi reduzida de 3,43% para 3,29%. [...]

Estimativa inicial apontava uma retração de 5% do PIB. A economia da Alemanha registrou crescimento de 0,3% no último trimestre de 2020 na comparação com o trimestre anterior, apesar das novas restrições adotadas pelo governo para combater a pandemia, anunciou o instituto alemão de estatísticas Destatis. O crescimento de outubro a dezembro superou a previsão inicial de 0,1% anunciada pelo Destatis em janeiro. No ano de 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha registrou queda de 4,9% em relação a 2019, 0,1% a menos que a estimativa inicial. A demanda interna, que tinha um papel de motor econômico antes da crise, retrocedeu tanto no consumo das famílias (-3,3%) como no setor público (-0,5%). Apenas o setor da construção conseguiu uma recuperação (+1,8%) após dois trimestres consecutivos de baixa, segundo os dados corrigidos. Estes índices decepcionantes foram compensados por uma recuperação das exportações (+4,5%), tradicional motor da economia alemã, e pela reconstituição dos estoques pelas empresas. Ao mesmo tempo, o país registrou um déficit orçamentário em 2020 de 139,6 bilhões de euros (quase 170 bilhões de dólares), resultado que ficou abaixo do valor inicialmente indicado (-158,2 bilhões de euros). Deste modo, a Alemanha interrompe uma série de oito anos de superávit. Este é o segundo déficit mais elevado desde a reunificação alemã em 1990, indicou o instituto de estatísticas em um comunicado. Diante da crise provocada pela pandemia, Berlim teve que deixar de lado seu famoso rigor orçamentário e liberou quase um trilhão de euros (1,22 trilhão de dólares) de ajudas às empresas, sob a forma de desemprego técnico, empréstimos garantidos e ajudas diretas. A Alemanha foi muito afetada a partir do outono (hemisfério norte, primavera no Brasil) pela segunda onda de contágios, que provocou a prorrogação das restrições e pode frear a dinâmica da indústria ao menos no primeiro trimestre de 2021. O banco KfW prevê um retrocesso do PIB alemão de entre -1,5% e -3% de janeiro a… [...]

AutoForce, Octadesk, V4 Company, Ateliware, GetNinjas, Mobills, Evolucional, Gama Academy, 12min, Positiv.a, Track.co, HeroSpark, Unike Technologies, Gestão 4.0 e Estratégia Educacional são as empresas com vagas abertas. As empresas AutoForce, Octadesk, V4 Company, Ateliware, GetNinjas, Mobills, Evolucional, Gama Academy, 12min, Positiv.a, Track.co, HeroSpark, Unike Technologies, Gestão 4.0 e Estratégia Educacional estão com vagas de emprego abertas em todo o país. Veja mais vagas de emprego pelo país AutoForce A AutoForce está com algumas oportunidades para as áreas de Desenvolvedor Full Stack (Remoto), Analista de Conteúdo, Analista de Marketing e Social Media. Por fim, na área de vendas, está disponível uma oportunidade de Sales Development Representative (SDR). Os interessados devem se cadastrar através do link: https://jobs.kenoby.com/autoforce Octadesk A Octadesk está com oito oportunidades para trabalho remoto, mesmo após o fim do período de distanciamento devido à Covid-19. As oportunidades são para: Analista de Suporte ao Cliente, Analista de Recrutamento e Seleção, Assistente de Facilities, Engenheiro de Dados, Engenheiro de Software, Engenheiro de DevOps, Account Executive e Senior Product Manager. Os interessados devem se cadastrar através do link: https://pt.octadesk.com/vagas V4 Company A V4 Company está com 10 oportunidades em São Leopoldo, cidade do Rio Grande do Sul, e também para trabalho remoto. Entre as oportunidades estão vagas efetivas para: Banco de Talentos, Business Intelligence, Comercial/Vendas, Customer Success (CS), Time Tech, Financeiro e Marketing. Os interessados devem se cadastrar através do link: https://v4company.gupy.io/. Ateliware A ateliware está com quatro oportunidades de trabalho de forma remota e presencial. As vagas são para as áreas de: Elixir Software Engineer, Software Engineer (Sênior/Pleno/Júnior) e Ruby Software Engineer. Os interessados nas oportunidades de emprego devem se cadastrar através do link: https://ateliware.solides.jobs/ GetNinjas O GetNinjas está com 14 vagas na modalidade remota e presencial para as áreas de Tecnologia, Customer Service, Design, Data e Produto. As oportunidades são para os cargos de Product Manager, Especialista em Pricing, Engenheiro de Qualidade de Software (QA), Engenheiro DevOps, Design System, Desenvolvimento… [...]

Centralize e gerencie toda a comunicação com o cliente final por qualquer canal de comunicação. O eDocSystem® é uma plataforma CCM OmniChannel projetada para processos de ciclos fechados ou sob demanda, além de permitir mapear a jornada e orquestrar a comunicação com clientes nos diversos canais de entregas.

Nós entregamos e implementamos soluções que abrangem toda a cadeia produtiva de documentos, resultando em produtividade real, sustentável e melhor custo benefício.

Sempre preocupada com a qualidade e eficiência a Exímia TI conta com uma completa infraestrutura de recursos técnicos e humanos capazes de atuarem em todas as etapas do processo de desenvolvimento.

SIGA A EXÍMIA TI